Ciência

A magia da astrofotografia: Carlos Fairbairn mostra astrofografia fácil na CPBR10

 

Muito provavelmente você já olhou, maravilhado, aquelas lindas imagens de planetas, nebulosas, galáxias, luas. Engana-se quem acha que é mero trabalho de computador: a astrofotografia reúne uma série de conhecimentos diversos sobre fotografia, muita paciência e amor pela astronomia. Com equipamentos bastante acessíveis você pode produzir as suas próprias astrofotografias.

Carlos Fairbairn, astrofotógrafo premiado internacionalmente, mostrou a astrofotografia sem rodeios em sua palestra no palco Ciências na Campus Party 2017. Fairbairn venceu o prêmio Astronomy Photographer of the Year do Observatório Real de Greenwich. Ele teve três imagens publicadas pela NASA como Image of the Day.

Para saber como se faz astrofotografia desde o início, comece fazendo o universo

Fairbairn não poderia ter começado sua palestra de melhor forma: “somos poeira das estrelas e somos um modo do universo conhecer a si mesmo”, disse ao iniciar para os espectadores a nossa origem. Dentro do núcleo das grandes estrelas a grande maioria da tabela periódica foi feita. E quando estas estrelas deixaram de existir, todo o seu material foi espalhado para o universo.

Logo, há pedaços de estrelas dentro de nós e no nosso planeta. Além disso, os mesmos componentes químicos estão presentes nas luas, galáxias e demais coisas alvo das fotografias de Fairbairn.

Assim, fica fácil compreender que a astrofotografia não é o mero ato de mirar uma câmera e apertar botões: é uma forma fantástica de olhar para o desconhecido e coisas grandiosas e pensar ‘eu pertenço a isso. O que há nessas nebulosas há em mim, o que há nesses planetas há no meu. Nós somos o universo’.

As fotos de Fairbairn falam por si só: uma riqueza á parte de conhecimento técnico realizado, por incrível que pareça, sem o auxílio de telescópios. Ele relatou que utiliza câmeras profissionais de preço mais em conta, programas de computador como o Stellarium, lentes diversas e alguns produtos mais comuns como fontes de energia extras.

Mancha da Via Láctea (Créditos na imagem)
Galáxia de Andrômeda (Créditos na imagem)
As plêiades (Créditos na imagem)

 

Ele também falou um pouco sobre as vantagens de utilizar máquinas fotográficas ao invés de telescópios pesados e muito grandes. “Eu carrego todo o meu material em duas mochilas. Basicamente, utilizo notebook, minha câmera, lentes e uma mesinha para apoiar tudo”. A outra vantagem desses materiais são a falta de necessidade de adaptadores (que não são nada baratos ou fáceis de achar), o foco pode ser controlado por software e o sistema é bem menos complexo. “É possível fazer astrofotografia de céu noturno com material de preço acessível”.

Fairbairn e seu material durante realização de astrofotografias em Carrancas, Minas Gerais (Créditos: arquivo pessoal)

Fotos e aprendizado ao mesmo tempo

“Fazer astrofotografia fez com que eu aprendesse muito sobre astronomia. De um jeito ou de outro você pesquisa sobre os objetos e obtém um aprendizado maravilhoso”, comentou. Além disso, os materiais feitos podem ser facilmente adaptados ao ensino em sala de aula uma vez que encantam os olhos e chamam atenção. O trabalho de Fairbairn também está atrelado a divulgação científica já que posta suas fotos com textos que misturam Ciência e poesia.

Bastante simpático e entusiasta da astronomia, Fairbairn está nas redes sociais. Siga-o no Facebook e no Instagram

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *